(5G) tecnologia de difusão de ondas eletromagnéticas de quinta geração

 215 total views

Em telecomunicações, o 5G é o padrão de tecnologia de quinta geração para redes móveis e de banda larga, que as empresas de telefonia celular começaram a implantar em todo o mundo no final do ano de 2018, e é o sucessor planejado das redes
G que fornecem conectividade para a maioria dos dispositivos atuais.[1] Como suas antecessoras, as redes 5G são redes móveis, nas quais a área de serviço é dividida em pequenas áreas geográficas chamadas de “células”. Todos os dispositivos sem fio 5G em uma célula são conectados à internet e à rede telefônica por ondas de rádio por meio de um transmissor local na célula. A principal vantagem das novas redes é que terão maior largura de banda, proporcionando maiores velocidades de download,[1] podendo chegar a até 10 gigabits por segundo (Gbit/s).[2] Devido ao aumento da largura de banda, esperase que as redes 5G não atendam exclusivamente a telefones celulares como as redes movéis existentes, mas também sejam utilizadas como provedoras de serviços gerais de internet para laptops e computadores desktop, competindo com fornecedores de acesso à internet (ISPs) existentes, como internet a cabo, e também possibilitarão novas aplicações em internet das coisas (IoT) e áreas de máquina a máquina (M2M). Os aparelhos
G não podem usar as novas redes, que exigem dispositivos sem fio habilitados para 5G.




O aumento da velocidade é alcançado em parte pelo uso de ondas de rádio de frequência mais alta do que as usadas pelas redes móveis anteriores.[1] No entanto, as ondas de rádio de alta frequência têm um alcance físico útil mais curto, exigindo células geográficas menores. Para atendimento estendido, a rede 5G opera em três bandas: baixa, média e alta. [3] [1] As redes 5G são compostas por redes que consistem em até três tipos de células diferentes, cada uma exigindo designs de antena específicos, cada uma oferecendo um equilíbrio de velocidades de download com base na distância e na área de serviço. Os telefones celulares e dispositivos sem fio 5G se conectam à rede por meio da antena mais rápida em sua localização:

A banda de baixa frequência 5G usa a mesma faixa de frequência que o equipamento
G, 600 – 700 MHz, oferecendo velocidades de download ligeiramente mais rápidas do que
G: 30–250 megabits por segundo (Mbps). [3] As torres de celular de banda baixa têm o mesmo alcance e cobertura que as torres
G. O 5G de média frequência usa micro-ondas de 2,5 a 3,7 GHz, permitindo velocidades de 100 a 900 Mbps, com cada torre de celular fornecendo serviço em um raio de até vários quilômetros. Esse nível de serviço é o mais amplamente implantado e estará disponível na maioria das áreas metropolitanas até 2020. Algumas áreas não implantam a banda de baixa frequência, tornando-a o nível mínimo de serviço. E o 5G de alta frequência usa frequências entre 25 e 39 GHz, perto do final da faixa de ondas milimétricas, embora frequências mais altas possam ser usadas no futuro. Normalmente atinge velocidades de download na ordem de gigabits por segundo (Gbps), comparável à Internet a cabo. No entanto, a onda milimétrica (mmWave ou mmW) tem um alcance mais limitado, exigindo muitas células pequenas. [
] Têm dificuldade em atravessar certos tipos de materiais, como paredes e janelas. Devido ao maior custo, espera-se implantar essas células apenas em ambientes urbanos densos e áreas de alta concentração de pessoas, como estádios esportivos e centros de convenções. As velocidades acima são de testes reais em 2020 e espera-se que as velocidades aumentem à medida que as redes são implantadas. [3]



O grupo da indústria que define os padrões para 5G é o 3rd Generation Partnership Project (3GPP). [1] Define qualquer sistema que utilize o software 5G NR (5G New Radio) como “5G”, definição que entrou em vigor no final de 2018. Os padrões mínimos são definidos pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Anteriormente, alguns reservavam o termo 5G para sistemas que ofereciam velocidades de download de 20 Gbit/s, conforme especificado no documento IMT2020 da UIT. FONTE

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*